12/03/2018 16:04

Número de mulheres no mercado de trabalho triplicou em Mandaguari nos últimos 30 anos

Igualdade

Número de mulheres com carteira assinada em Mandaguari aumentou cerca de 240% entre 1986 e 2016. A participação delas no mercado de trabalho aumentou de 26,8% para 46,61,3% do total de vagas, segundo levantamento da Assessoria de Imprensa da Prefeitura junto ao Ipardes (Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social).

No Paraná os percentuais foram parecido e, segundo o diretor-presidente do Ipardes, Júlio Suzuki, houve mudança estrutural, com mais mulheres chefes de família e com maior nível de instrução, tendência seguida pela maioria dos municípios, inclusive Mandaguari.

O número de mulheres no mercado de trabalho formal em Mandaguari mais que triplicou nos últimos 30 anos. Em 1986, de acordo com dados da Relação Anual de Informações Sociais (RAIS) do Ministério do Trabalho, 1.437 mulheres trabalhavam com carteira assinada no município. Em 2016, esse número estava em 4.882 – 240% maior. Já o número de homens passou de 3.924 em 1986 para 5.592 em 2016, um crescimento de apenas 42%. Para se ter uma ideia do significado destes números, vale observar que em 1986 os homens representavam 73,2% do mercado formal e em 2016 esta participação caiu para 53,39%.

Há 30 anos, o sexo feminino detinha 26,8% das vagas no mercado de trabalho no Estado. Em 2016, essa participação chegou a 46,61%.

Os dados da RAIS foram compilados pelo Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social (Ipardes) e mostram que as mulheres do Paraná trabalham, em sua maioria, no setor de serviços, em que respondem por 60% da mão de obra. O segundo setor que mais emprega mulheres é o comércio, com 21,7%, seguido pela indústria (15,6%) e pela agropecuária (1,4%). A construção civil tem apenas 0,7% da força de trabalho formada por mulheres.

Apesar da preponderância masculina no mercado de trabalho no Estado, há municípios paranaenses em que a mão de obra feminina é destaque. Entre as 399 cidades do Estado, 79 registram maioria de mulheres no mercado de trabalho.

“O aumento das mulheres no mercado de trabalho não deriva da questão demográfica, já que elas são a maioria da população. Trata-se de uma mudança estrutural, com um número maior de mulheres se tornando chefes de família e com maior nível de instrução”, diz Júlio Suzuki, diretor-presidente do Ipardes.

Em 2016, 28% das mulheres no mercado de trabalho no Paraná tinham ensino superior, contra uma média de 14% dos homens. Em média, as mulheres brasileiras com 25 anos ou mais têm 8,2 anos de estudo, contra 7,8 anos dos homens.

O aumento da presença da mulher no mercado de trabalho também reduziu a diferença salarial em relação aos homens no Paraná. Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram que em 2016 as mulheres ganhavam, em média, 26,5% menos do que os homens. Em 2012, essa diferença era de 32,1%.

Pelo menos três fatores ajudam a explicar essa diferença, de acordo com Suzuki Júnior. “O primeiro é a incidência maior da jornada parcial entre as mulheres, o segundo é que há a preponderância feminina no emprego doméstico, que infelizmente tem baixa remuneração, e em terceiro a existência, ainda, da discriminação, que faz com que em alguns cargos de igual posição e carga horária, os homens ainda ganhem mais”, diz.

Suzuki Júnior lembra também que, por outro lado, os homens têm presença maior em setores como construção civil e indústria, que pagam melhores remunerações. A tendência, de acordo com ele, é que essa diferença diminua cada vez mais nos próximos anos.

 

Fonte de dados: Ipardes